Também

Projetar um jardim de acordo com os estilos de jardinagem


Projetar um jardim de acordo com os estilos de jardinagem


Entre os estilos mais adotados na construção de um jardim, propomos aqui três dos mais conhecidos e apreciados: o jardim contemporâneo, o jardim italiano e o jardim inglês. O chamado "jardim italiano clássico" nasceu em Florença no século XV. A lógica subjacente deste jardim é encontrar o equilíbrio certo entre rigor racional e imaginação criativa. As características que todos esses jardins compartilham são, portanto, a geometria dos caminhos e dos canteiros, o grande uso de sempre-vivas, as sebes aparadas de forma regular, a arquitetura estupenda e a presença constante e às vezes maciça de estátuas e fontes. As avenidas, de fato, são usadas como eixos de perspectiva que conectam as várias partes do jardim, destacando elementos como terraços e escadas. Uma atenção particular, como já foi dito, é dada às árvores e arbustos, a fim de lhes dar uma forma geométrica, diferente daquela assumida naturalmente pela planta, para fins ornamentais. As coberturas formais são assim formadas, ou, a partir de espécimes individuais ou pequenos grupos, sujeitos com várias formas abstratas.
O jardim inglês, por outro lado, não usa mais elementos para definir e circunscrever o espaço de maneira geométrica, mas tira proveito da alternância de elementos naturais e artificiais, cavernas, córregos, árvores grandes, mas também templos e ruínas. O objetivo é permitir que a paisagem seja descoberta gradualmente sem fornecer uma visão geral, além de dar uma impressão de naturalidade sem que o espaço verde seja inculto. O jardim inglês, em sua aparência tão natural, apresenta o mesmo cuidado e dedicação às plantas, as quais, no entanto, neste caso não devem ser submetidas a padrões rígidos.
Quando falamos de naturalidade em um jardim inglês, não devemos pensar que se trata de um plantio desorganizado no solo, mas é uma intervenção direcionada que estimula a presença alternada de espécies vegetais que podem garantir um ano inteiro aparência estética agradável, não dando a impressão da presença do homem em seu design.
Finalmente, o jardim contemporâneo merece uma menção: a característica mais típica desse jardim é a conexão entre o interior e o exterior, entre o edifício e a natureza, realizada com plantas alongadas ou fornecendo elementos de conexão, como pérgulas e pátios que podem ser coberto, por exemplo, com trepadeiras.
A leitura em profundidade foi uma alternativa crítica à visão da planta, levando ao reconhecimento da percepção qualitativa do espaço e do ambiente. Essa leitura estendeu a intencionalidade do projeto aos componentes da paisagem, analisando o local em todos os seus elementos e possibilitando a integração entre forma e função que a vista do plano e o zooning tendiam a separar. Antes de tudo, os arquitetos contemporâneos, sem descuidar o fator tempo, são inspirados na arte e na arquitetura contemporâneas. Os jardins não são mais organizados de acordo com o estilo clássico, seguindo geometrias ou um único eixo, mas movem-se em espaços multiaxiais, diagonais e assimétricos; o projeto do jardim, destinado a ser um local para as pessoas, considera mudanças na estrutura social e ambiental. O uso de novos materiais devido ao desenvolvimento tecnológico, como plásticos, metais, formações rochosas de lã de vidro, iluminação por fibra óptica, passa a fazer parte do projeto do parque ou das áreas verdes. Desde o período pós-guerra até o presente, passou do conceito de "espaço verde" para o de "passagem". Na nova visão do design da paisagem do pós-guerra, surgem diretrizes no design de áreas verdes e na reconstrução da paisagem urbana:
- a planta alongada favorece a ventilação natural do edifício e, ao mesmo tempo, estabelece uma conexão dentro do local. Tornando-se um caminho e um link contínuo;
- o elemento construtivo da interligação entre o exterior e o interior: um alpendre aberto para a paisagem, um terraço ou uma plataforma externa, ligado ao edifício por um telhado móvel ou leve. Nas casas urbanas, torna-se um pátio, um pátio interno ou um átrio;
- o invólucro externo se torna um elemento de conexão entre o construído e a natureza, entre o inorgânico e o orgânico, na busca contínua do diálogo entre a arquitetura e a paisagem.
A presença da vegetação constitui um elemento de grande importância do ponto de vista cultural, pode favorecer o conhecimento da botânica e, de maneira mais geral, das ciências naturais e do meio ambiente.
Até a função estético-arquitetônica é significativa, considerando que a presença de vegetação melhora definitivamente a paisagem urbana e torna a estadia na cidade mais agradável, tornando-se essencial favorecer a integração entre elementos arquitetônicos e verdes no campo do design de móveis urbana.



Vídeo: Jardim para pequenos espaços 01 (Outubro 2021).