Jardim

Begônias


Como regar as begônias


Embora não sejam difíceis de cultivar, as begônias precisam de cuidados e manutenção constantes, principalmente quando se trata de suas necessidades de água. Felizmente, existem apenas alguns fatores importantes a serem considerados quando se trata de irrigação. A regra principal é não deixar o solo secar completamente. A rega irregular causa amarelecimento e, finalmente, as folhas caem. Durante os meses de inverno, apenas regue as plantas algumas vezes por mês. Devido à sua origem tropical, as begônias prosperam em áreas com umidade relativamente alta. Nas áreas mais secas, é apreciada uma nebulização com água destilada, livre de minerais. Quando o cultivo ocorre no interior, a umidade pode ser aumentada usando um pequeno umidificador. As mesmas regras se aplicam a regas em estufas. A circulação de ar também é fundamental. As plantas mantidas em ambientes fechados enfrentam um período de dormência no inverno e há uma ligeira queda de folhas. Nesse caso, a água é necessária apenas uma vez a cada 3 ou 4 semanas até o crescimento recomeçar na primavera.

Cultivo de begônias



Begônias não crescem bem em ambientes áridos e quentes, mas em áreas protegidas da luz solar direta. No entanto, eles ainda precisam do sol para dar vida às suas melhores flores. O ideal é a luz da manhã ou a luz que é filtrada através de uma cortina. Pode levar até três meses após a semeadura do tubérculo antes que a floração completa seja alcançada. Begônias são cultivadas em vasos rasos cheios de solo úmido. Cada tubérculo é regado para estimular o crescimento, tomando cuidado para não deixar o solo secar completamente. Um ambiente úmido favorece o desenvolvimento da planta. Depois que os brotos crescem, os tubérculos devem ser transferidos para recipientes maiores, sempre bem cheios de terra e expostos à luz suficiente. Quando o período frio termina, os vasos podem ser transportados para um local externo, parcialmente sombreado e acima de tudo, longe de qualquer fonte de vento forte. A melhor localização é aquela que permite que você receba o sol de manhã cedo ou no final da tarde. As begônias são sensíveis ao frio e sobrevivem ao ar livre apenas em áreas livres de gelo.

Como fertilizar begônias



O uso de um fertilizante não muito agressivo é útil para o solo, especialmente durante a fase de semeadura. A quantidade certa é composta por uma parte de fertilizante líquido misturada com três partes de água. O importante é irrigar bem o solo. Quando os brotos jovens da begônia têm cerca de 3-4 centímetros de altura, a mistura diluída deve ser aplicada à base da planta. A operação deve ser repetida a cada 2-4 semanas durante a estação de crescimento, sempre tomando cuidado para manter o solo bem úmido. Nos meses de outono, a fertilização é reduzida para uma dose por mês, apenas para parar quando o inverno chegar. As begônias estarão prontas para adicionar novos nutrientes apenas na próxima primavera. Solo úmido e uma dose excessiva de fertilizantes são as principais ameaças a muitas begônias. Essas plantas são sensíveis e podem morrer com fertilizantes altamente concentrados.

Begônias: doenças de begônias



Begônias podem crescer ao ar livre, em canteiros de flores ou em apartamentos. Mas, independentemente do ambiente em que vivem, existem algumas doenças de plantas que precisam ser controladas. Um perigo frequente é representado por nemátodos foliares. Os sintomas podem variar, mas a maioria das begônias sofre com um bloqueio no crescimento. Outro sintoma é a descoloração das folhas, que assumem uma cor que varia do vermelho ao bronze e aparecem impregnadas de água. Nesse caso, a única solução é jogar fora a planta. Somente com cuidado é possível evitar o aparecimento de doenças. O primeiro passo é comprar plantas livres de nematóides. Sempre remover folhas e flores mortas ajuda a proteger a saúde das begônias. A maioria dos fungos nasce devido à irrigação incorreta; portanto, a medida de precaução é manter um olho nas condições do solo. Uma doença da qual as begônias sofrem é a ferrugem. Começa com bolhas vermelho-alaranjadas e atinge uma condição mais séria que leva à morte da folhagem. Infelizmente, para os casos mais extremos, não há tratamento necessário.