Jardim

Ervas aromáticas


Irrigação de ervas aromáticas


As ervas aromáticas são divididas em plantas anuais, bienais e perenes. Em geral, as plantas perenes não precisam de um suprimento significativo de água, pois o que recebem da natureza é suficiente. Teremos que considerar a região em que vivemos, porque no sul será apropriado, no verão, continuar a regar de qualquer maneira, especialmente nos períodos mais secos. Quanto às plantas anuais e bienais, é necessário umedecer as plantas na base, evitando molhar as folhas diretamente para evitar que elas fiquem amarelas. A operação deve ser repetida da maneira usual, sem vazamentos de água que possam prejudicar o crescimento, prosseguindo uma vez por semana e a cada dois dias no verão. A cobertura morta é supérflua para espécies perenes como o alecrim, que crescem muito bem plantando-as naturalmente em casa.

Como cuidar de ervas aromáticas



As ervas aromáticas perenes resistem aos invernos, alguns até os mais rígidos. Recomenda-se cortar galhos secos e danificados para dar espaço a uma nova vegetação que crescerá luxuriante desde o início da primavera. A planta literalmente entra em "hibernação" no inverno e podemos transplantá-la para uma panela maior apenas no outono, preparando-a para a estação quente, quando retomará o ciclo de vida mais ativo. A hortelã, por exemplo, também cresce espontaneamente e não é nada difícil de crescer. Também pode ser multiplicado facilmente, substituindo as peças danificadas por estacas, produzidas em uma jarra separada ou diretamente ao lado da planta mãe. A principal intervenção visa remover ervas daninhas, regar nos períodos mais quentes, eliminando as partes danificadas após o inverno.

Compostagem



Ervas aromáticas não devem ser fertilizadas com frequência. De fato, se o solo é bastante fértil, não há necessidade de intervir. A adição de fertilizantes químicos particularmente ricos arriscaria tornar as ervas aromáticas frágeis e não muito interessantes do ponto de vista do perfume. Deve-se sempre considerar que muitas espécies são espontâneas e vivem exuberantemente sozinhas, sem intervenção humana. Para uma planta de orégano, por exemplo, é mais do que suficiente remover as ervas daninhas e regá-las moderadamente durante os períodos de seca. Por via de regra, é contudo necessário evitar fertilizar ervas aromáticas mais de 3 vezes por ano. Prepararemos o solo e plantaremos nossa planta, se anual, procedendo a um simples fertilizante granular aromático que pode ser encontrado com muita facilidade em lojas de bricolage e jardinagem.

Ervas aromáticas: Exposição e doenças



As ervas aromáticas podem ser cultivadas em campo aberto, dentro da horta ou em vasos, com alguns passos simples. É preferível para quase todos os produtos aromáticos uma exposição em local seco ao sol pleno ou pelo menos durante a maior parte do dia. Algumas espécies, no entanto, toleram muito bem a sombra parcial. Estes incluem hortelã, foguete e erva-cidreira. A circulação de ar em local ensolarado favorece, além do crescimento, as características olfativas para uso na cozinha. As ervas aromáticas raramente são atacadas por doenças, sendo plantas muito resistentes que crescem naturalmente na natureza. As doenças ocorrem apenas em nascentes com chuvas altas, quando sálvia, manjericão, orégano, manjerona e outros tipos podem ser atacados com mais frequência. Não é necessário, e de fato não é recomendado, o uso de pesticidas. Você simplesmente precisará intervir removendo as partes secas e doentes antes que a planta seja danificada irreparavelmente, tentando entender a causa.